WYD - Logo “Amar é doar-se por inteiro”
nas Jornadas Mundiais da Juventude 2016 em Cracóvia

De volta de Cracóvia, trago algumas notícias de nossa fantástica experiência com a distribuição do livro Amar é doar-se por inteiro durante as JMJ.

JMJ
JMJ
JMJ
JMJ
JMJ
JMJ

A Direção das JMJ havia solicitado que os livros fossem enviados às dioceses da Polônia para as catequeses que precediam as Jornadas em Cracóvia. Recebemos uma lista de 41 dioceses inscritas para receber os jovens, com o número de inscritos para cada língua. Além disso, deveríamos distribuir o livro em Blonia, onde ocorreria o encontro nos quatro primeiros dias e no Santuário São João Paulo II, por onde passariam todos os peregrinos durante a semana. Após meses de negociações, a Direção das JMJ obteve isenção da taxa (IVA) para o transporte de todos os livros encaminhados à arquidiocese de Cracóvia.

Incentivo papal

Foi desta forma que preparamos 1 milhão de exemplares para a Polônia: cerca de 550.000 às dioceses e 450.000 para Cracóvia, todos em 12 idiomas. Todo o trabalho de logística, envio, transporte foi magistralmente realizado pela equipe de Schumacher SA, nossa encadernadora. O responsável pela logística da empresa deslocou-se duas vezes para resolver todas as questões com o transportador polonês. Por nossa parte, demos prosseguimento à nossa campanha para angariar fundos e organizamos os preparativos para a equipe composta de 45 pessoas encarregadas pela distribuição dos exemplares: alojamento, organização do transporte, divisão de tarefas e dos locais e conexão com a Direção das JMJ. Regularmente o Vaticano nos telefonava para ter notícias e seguir de perto a evolução do processo. O papa Francisco, por meio de seus mais próximos colaboradores tudo acompanhou e nos incentivou para superarmos os impasses que se apresentavam diante de nós.

Fui para Cracóvia em 20 de julho para tudo preparar antes da chegada do grupo na segunda-feira dia 25 de julho. Dificuldades não me faltaram: problemas com o material de transporte, controvérsias quanto ao local de distribuição, perda de nossos cartões de identificação, etc. Tudo encontrou uma solução finalmente e eu estava pronta para receber nossos colaboradores: religiosos e religiosas, laicos, jovens e adultos, crentes e todos os que estavam à procura de Deus. Todo este mundo se reuniu para uma eucaristia no hotel antes de iniciar a missão, uma missão de alegria e serviço. Todos foram chamados a transmitir a alegria do Evangelho e da Vida consagrada com todo seu ser, toda sua força, todo seu entusiasmo, sob a inspiração do Espírito. Nenhuma instrução prévia, apenas seguir a voz do Espírito dentro de cada um.

Belos encontros

A distribuição começou na terça pela manhã no horário previsto, todos vestidos de camiseta e boné laranja. Foi preciso encontrar as marcações, levar empurrões, remarcar encontros, resolver imprevistos, lidar com o grande fluxo de pessoas e com o tempo morto também. Tivemos que aprender a organizar o fluxo, a nos organizar, reconhecer aos poucos os idiomas dos participantes para oferecer o livro na língua certa. No santuáro de São João Paulo II, cometemos um erro ao deixar apenas os exemplares em polonês, acreditando que apenas jovens poloneses passariam por lá. No entanto, estes jovens deixaram que os jovens vindos de fora fossem primeiro pois poderiam visitá-lo em outras oportunidades. Em decorrência disto, distribuimos poucos exemplares mas tivemos belíssimos contatos com os jovens de toda parte. Fiquei sensibilizada por uma jovem noviça da Síria que deverá fazer seu noviciado no Líbano devido à expulsão de sua comunidade em Damas e Alep. Todos os sírios presentes vestiam uma camiseta branca com as seguintes palavras escritas em preto, em inglês: Peace is possible (a paz é possível).

Em Blonia, à medida que as horas e os dias passavam, a multidão aumentava. Na terça à noite, após à missa de abertura presidida pelo Cardeal Dziwisz, subi ao pódio com 4 religiosos e religiosas para apresentar o livro a todos que assistiam. Durante aqueles dias, lembrávamos com frequência da parábola do semeador. Distribuíamos a semente sem saber se a terra que a acolheria daria frutos. Às vezes, encontrávamos livros pela rua e os pegávamos de volta para distribuí-los novamente, confiando no Espírito que guiava nossos corações. Nossa missão era «tudo doar» por amor. Recebemos também muito reconhecimento, muita gratidão, muitas perguntas e ouvimos histórias de vida que levamos para nossas orações. Encontramos jovens romenos que pediam livros para seus compatriotas que não puderam vir, jovens de países em guerra ou com regime ditatorial que lá estavam, oficialmente como turistas, mas que na realidade estavam a peregrinar bem mais do que todos os outros.

Um compartilhamento emocionado

O ultimo dia do evento, sexta-feira, foi um dia grandioso. Estávamos todos em Blonia para a distribuição dos livros após a Via Sacra, tão encorajada pelos comentários empolgantes do papa Francisco. A multidão era imensa, com mais de 1 milhão de pessoas. Estávamos rodeados e pudemos então espalhar amplamente a mensagem de vida da Vida consagrada a jovens alegres, entusiasmados com sobriedade, sem histeria, amáveis e radiantes.
No sábado à noite, optamos por não não ir à vigília no descampado devido à longa distância e ao transporte dos livros. Fizemos uma comunhão de fim de missão entre nós, no hotel. Cada um pode compartilhar a experiência vivida durante a semana, o que lhe havia sensibilizado, como foi «doar-se por inteiro». Foi um momento muito intenso, autêntico, verdadeiro e de acolhimento do outro. Depositamos nossa semana na patena e no cálice, confiando a Jesus o crescimento e a maturidade de nossa pequena contribuição a Sua missão.

Retorno ao som da trompa dos Alpes

Domingo pela manhã, o ônibus esperava os participantes para a distribuição às 9 horas. Foi ao som da trompa dos Alpes, trazida pelo encarregado da logística, que o grupo retomou a estrada para vinte e três horas de viagem. O responsável pela logística e eu ficamos até terça-feira para tratar de negócios e fazer as contas. A distribuição nas dioceses funcionou bem, em Cracóvia doamos 225.000 exemplares em 4 dias. Os livros em inglês, francês, espanhol, português, ucraniano e italiano foram totalmente esgotados. Sobrou um pouco em russo, doados às devotadas Filhas da Caridade, para suas comunidades na Rússia, um pouco em romeno, que foram enviados para a Romênia, a um padre que veio para a Cracóvia ; um pouco de croata que será enviado para as irmãs d’Ingenbohl na Croácia com o restante em alemão e vietnamita também. Sobraram mais em polonês que facilmente encontraram um destino: o santuário de São João Paulo II, no qual os peregrinos do Ano da Misericórdia continuarão chegando e as diversas comunidades religiosas e paróquias indicadas pelos nossos dois grandes colaboradores em Cracóvia: o padre Marek, jesuíta, e Katarzyna, tradutora do livro para o polonês.

E tudo começa…

Antes de deixar a Polônia, fomos agradecer e nos despedir do padre Grégoire, secretário-geral da organização das JMJ. Ele empreendeu um trabalho gigantesco e, no conjunto, tudo funcionou bem. A equipe de segurança foi notável, rigorosa e amável ; a gestão dos deslocamentos foi muito bem pensada, organizada quase totalmente em um único sentido para evitar tumulto ; o clima estava calma e sereno, alegre e profundo. Os jovens receberam palavras portadoras de sentido, com as quais se identificaram e os sensibilizaram.

Outro telefonema do Vaticano à Daniel para agradecê-lo felicitá-lo. Assim as verdadeiras JMJ começam no cotidiano onde cada um é chamado a prestar testemunho da fé que conseguiu alimentar e aprofundar. No aeroporto de Cracóvia, um jovem sulamericano estava lá, com um saco de livros no ombro, pronto para cumprir sua missão. Ao chegar, uma jovem francesa me telefonou para dizer que havia perdido seu exemplar nas JMJ e me perguntou como obter um outro. Um livraria encomendou os livros para a América latina, uma jovem espanhola procurava um meio para comprar um exemplar na Espanha.

A semente foi plantada. Que o Espírito Santo lhe conceda a graça de crescer e amadurecer generosamente!

Sim, com certeza, tal como escrito em nossas camisetas: Love is giving everything (Amar é doar-se por inteiro).

Irmã Anne-Véronique Rossi

Participe da campanha de arrecadação
para financiar o frete do livro
“Amar é doar-sepor inteiro” para a África.